Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Pensando sobre... Guerras

03.09.06 | Bruno C.
A mim, como ateu, direi convicto, faz-me grande confusão todas as guerras motivadas pela religião. Ouvimos nas noticias a descrição de bairros judeus, muçulmanos, católicos... Tudo isto é real e acontece quando um governo se confunde com a religião. Os europeus, frutos da sua própria história (e mundial) demitiram-se do controlo dos delicados equilíbrios do mundo. Deixando para os EUA esse papel. Ocupamo-nos com a reconstrução depois da guerra e mais tarde com a grande obra que é a União Europeia, os europeus foram perdendo a influência antes alcançada. Deixando o mundo refém do poder totalitário e de ideologia questionável dos EUA. Se com Clinton os EUA pareceram enveredar por um caminho de diplomacia de paz, conseguindo mesmo alguns progressos no médio oriente, com Bush, tudo se tem vindo a degradar no sentido do conflito de civilizações. Julgava eu que as perseguições eram uma coisa do passado, mas passado todos estes séculos parece que ainda facilmente nos voltamos para a caça as bruxas. É preciso desconfiar de todas as pessoas que acoberto da bandeira da liberdade e justiça cometem as maiores atrocidades, apresentando uma superioridade moral em relação a todos os outros. Aquilo que os EUA fizeram no Afeganistão e depois no Iraque com a desculpa dos atentados do 11/9, abriu uma ferida de longos anos entre religiões, que tinham permanecido mais ou menos pacificas nestes últimos anos. Mas porque é que eu digo guerra entre religiões? E não digo entre estados? Muito simplesmente porque os EUA são um país cristão. Direi mesmo fanático. Se ouvirem com atenção todos os discursos de Bush aparecem insistentemente três palavras: Deus, Liberdade, Democracia (Justiça). Ora, como Deus não pode coexistir com liberdade e sem ela a democracia não pode existir temos um problema. Passo a explicar; todos os países que Bush ataca, sim porque ele ataca países, lá por dizer que anda atrás de terroristas as bombas caem em países. Esses países são todos muçulmanos. Um país radical cristão ataca vários países muçulmanos e vocês acham que nada iria acontecer? E agora chego ao ponto da questão, o conflito entre Israel/Palestina/Síria. No meio de países Muçulmanos encontra-se Israel, um pais judeu, que curiosamente é apoiado incondicionalmente pelos EUA. Nesta fase temos todos os ingredientes para um conflito religioso. Mas ao contrário de conflitos monetários ou de poder os conflitos religiosos só terminam quando uma das partes for extinta. Como as forças envolvidas são muito semelhantes o conflito não tem solução de um ponto de vista armado. Apenas diplomático. Mas neste caso, religioso, apresenta-se duas facções fanáticas, que só com a pressão de todo o mundo será possível a paz. Com isto dito, voltamos à questão europeia; muitos europeu tem dificuldade em compreender a agressividade árabe, levados pelo espirito da liberdade e cegos pela superioridade moral de tudo o que lhes é mais próximo, embarcam na retórica, será que se pode chamar isto, de Bush. O que os europeus se esquecem muito frequentemente é que nos EUA não existe aquilo que na Europa nós chamamos de separação entre o estado e a igreja. E é pois isso que na Europa as religiões convivem mais ou menos pacificamente, apesar da nossa matriz cristã. Além disso não somos nós, os Europeu, que somos constantemente barrados nos aeroportos só por o nosso passaporte conter nomes suspeitos!! Seja lá o que isso for. Não podemos deixar que as paranóias dos americanos e ingleses ponham em causa todo um modo de vida de abertura que construímos a muito custo ao longo de todos estes séculos. Eu não estou disposto a perder a minha liberdade só para ter uma sensação de segurança. Isso não estou mesmo...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.