Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

CR7 #metoo

08.10.18 | Bruno C.

A mais recente polémica sobre a violência machista no mundo afetou o "nosso querido" CR7. De toda a polémica só quero dizer algumas coisa muito rápidas.

1º Se o Ronaldo engata uma mulher, que não conhece de lado nenhum, num bar e a leva para a cama está a colocar-se a jeito para ser extorquido.

2º Se o Ronaldo fez um acordo com ela para ficar calada é caso para dizer que quem não deve não teme.

3º Se realmente a violou deve ir para a prisão como todos os violadores deviam. Sem atenuante por favor porque ninguém é obrigado a violar alguém.

4º Para aqueles que acham que dizer sim a sexo quer dizer vale tudo, não quer! Dizer sim a sexo não quer dizer que se vai sujeitar a cera quente nos mamilos.

Bolsonaro #elenao

01.10.18 | Bruno C.

Vivemos um momento único no mundo. A globalização chegou à política já não se trata de sabermos o que se passa nos outros países como entramos numa era em que cidadão de vários países fazem campanha aberta contra candidatos de nações com as quais não têm relação. A única relação é mesmo a globalização e o sentimento de cidadãos do mundo.

As últimas eleições americanas e agora com as eleições brasileiras temos assistido a inúmeras noticias de manifestações, tomadas de posição, artigos e opiniões sobre a política interna do Brasil.

A primeira interrogação é saber até que ponto isto não será uma ingerência absurda na vida de um pais soberano. A segunda questão é saber se não devemo lutar por um mundo melhor independentemente de a batalha ser no nosso quintal ou a 5000km de distancia.

Quando vemos candidatos com Trump, Le Pen ou Bolsonaro (e mais casos podíamos enlencar como na Polónia ou na Aústria) podemos observar como um certo tipo de ideologia anti-direitos humanos se está a levantar e a ganhar poder na nossa vida.

Vivemos num mundo global, isto não podemos negar, os resultados eleitorais de um país afeta inevitavelmente outros países como nunca antes visto. Então, ao vermos este tipo de ideias a serem propagadas a alto e bom som não será o dever de quem quer um mundo melhor combater essas ideias? Ao aceitarmos estas ideias como "normais" noutros países não estamos a abrir caminho para que essas mesmas ideias cresçam no nosso país?

É preciso ficar bem claro que não estou contra ninguém, mas sim contra as ideias que não deviam ter voz no nosso século. O machismo, a xenofobia, o racismo, a homofobia, os atropelos aos direitos humanos. Não podemos por em causa a nossa ética porque temos medo. O compromisso em votar num candidato não pode ir contra os valores basilares da nossa sociedade.

Por isso #elenão

Pág. 2/2