Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Reivindicar sem descredibilizar (Parte 2)

18.12.08 | Bruno C.

Dou dois exemplos ilustrativos das consequências da descredibilização do Estado como alimento do mercado.

O discurso que os políticos são todos corruptos, que a Segurança Social vai entrar em colapso e que daqui a alguns anos não teremos reformas, faz o mercado querer preencher essa lacuna, ainda que ela não exista, seja apenas uma hipótese vinda de discursos mal intencionados ou simples pessimistas. Assim surgem os PPRs. Estes estão disponíveis apenas para alguns, para quem pode.

Num aperto escolher entre pôr comida na mesa e poupar para a reforma a escolha não suscita dúvidas. Há pessoas que vivem constantemente em aperto. Não é passar um atestado de incompetência e dizer que as pessoas não saber gerir o seu dinheiro, mas na hora de escolher entre o imediato e o amanhã, o roncar da barriga fala mais alto. Assim, é obrigação do Estado tomar conta de nós e tal como obriga as empresas a pagarem um patamar mínimo, também nos “obriga” a pensar no futuro. É um Estado Previdente.

Outro exemplo. Com toda a intransigência entre ministra da educação e sindicatos dos professores, são os profissionais e a própria educação que ficam descredibilizados. Já passamos a fase da reivindicação e passamos para o total desrespeito uns pelos outros. Já se ouvem discursos “Com o estado do ensino, se tivesse um filho não o punha numa escola pública.”

Com isto avança o mercado em substituição do Estado e surgem as escolas privadas, que em termos de ensino são poucas as que superam as públicas. Não sou contra as escolas privadas, mas estas não devem surgir por descrédito das públicas. Temos escolas estatais muito boas e a prova é que nos rankings algumas destas estão à frente de escolas privadas. Pelas características das escolas privadas seria obrigatório que todas elas estivessem à frente de escolas públicas, e isso não acontece. É obrigação do estado melhorar cada vez mais a educação, base para todo o desenvolvimento económico e social.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.