Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

Reactor 4

esquerda snowflake, lobo marxista easylado@sapo.pt

IVG: A lei

01.04.07 | Bruno C.
A nova lei da interrupção voluntária da gravidez, ainda da que falar, depois do referendo pensava que tudo iria decorrer normalmente e que a lei seria aprovada e implementada. Estava enganado. Depois do referendo e depois de ter passado na Assembleia da República com os votos favoráveis das bancadas do PS, PCP, PEV, BE e ainda 21 deputados do PSD o decreto descansa nas mão do Presidente aguardando veto ou promulgação. Uma vez que o Presidente da República deixou passar o prazo em que poderia submeter a constitucionalidade junto do Tribunal Constitucional. Só podemos esperar a sua aprovação. Mas apesar de todos estes dados que apontam para um desfecho natural ainda existem uns focos de irredutibilidade do “Não”. Os defensores do “Não” andam a dizer que somam três milhões contra a lei aprovada “ilegitimamente”, dizem eles, pelo Parlamento. Mas como é que eles agora são 3 milhões? Nas palavras de uma maluca deste movimento, Isilda Pegado: “Fomos um milhão e 500 mil portugueses que dissemos não a esta lei. Mas se a nós juntarmos mais um por nascer por cada voto nosso, teremos seguramente mais de três milhões de portugueses”. Este argumento é tão idiota que nem me vou dar ao trabalho de gozar com ele. Mas as anedotas continuam: “Senhores deputados, se querem fazer uma lei sobre o aborto dentro da Assembleia da República, demitam-se e peçam novo mandato aos portugueses”. Que eu me lembre, sim, se a memória não me falha os deputados são eleitos para legislar sobre todas as matérias que importam à nação. Por vezes se um assunto é muito sensível podem pedir a opinião da população, e aqui aparece o Referendo, se pedem o referendo devem agir em conformidade e respeitar os resultados. Não percebo porque é que agora se tinham que demitir por legislar uma lei que foi aprovado pelo povo. Esta senhora não fecha bem da gaveta. Como já disse para mim a lei já devia ter sido alterada e sem o recurso ao referendo, mas isso sou eu a pensar...